PC conclui inquérito sobre morte de vereador de São José do Divino e inocenta parlamentar Marquinhos Carioca

Por Zana Ferreira, G1 Vales de Minas


Vereador foi inocentado após inquérito da polícia ter concluído que ele não teve participação no crime — Foto: Reprodução/ Inter TV

Vereador foi inocentado após inquérito da polícia ter concluído que ele não teve participação no crime — Foto: Reprodução/ Inter TV

Continua depois da publicidade

Foi concluído o inquérito sobre a morte de Ronildo Rodrigues Dos Santos, conhecido como Maia, vereador de São José do Divino morto em março deste ano. As investigações concluíram sobre a inocência do vereador Marcos Vinícius Lima Couto, que no primeiro momento foi apontado como mandante do crime.

Marcos, conhecido Marquinhos Carioca (PPS), chegou a ficar preso por 30 dias, mas foi liberado em abril após as investigações concluírem que ele não teve participação no crime. O vereador conta que estava acompanhando o irmão da vítima ao hospital de Governador Valadares, onde Maia estava internado após ser baleado, quando descobriu que era tido como suspeito.

“Eu estava no meu carro indo para Valadares com o irmão do Maia pra tentar ver se eu poderia fazer alguma coisa, quando ligaram para ele e ele disse que precisava voltar. Quando chegamos na porta da casa da mãe dele, os policiais estavam me esperando”, relembra.

A suspeita sobre o vereador foi colocada após o executor dos disparos, um jovem de 18 anos, apontá-lo como mandante. Mas as investigações indicaram um comerciante de 45 anos, como o real mentor do crime.

Segundo o delegado Eduardo Gil, a vítima teria tido um relacionamento amoroso com a mulher do comerciante, que pediu a separação após descobrir a traição. Esse fato teria ocorrido meses antes do crime, mas a vítima tinha o costume de passar em frente a loja do homem fazendo provocações relativas ao adultério.

O comerciante foi preso e confessou ter sido o mandante do homicídio. Ele afirmou que gastou R$ 12 mil para comprar a arma, munições e para contratar as pessoas para executarem o vereador Maia. No total, oito pessoas foram indiciadas e cinco estão presas.

Livre das acusações, o vereador Marcos Vinícius Couto pretende retomar a atuação na Câmara de São José do Divino: “Eu ainda não voltei, mas se Deus quiser, vou estar de volta para cumprir o meu mandato. Eu fui eleito pelo povo e tenho essa obrigação de exercer meu mandado da forma que sempre exerci, com muita dignidade, trabalho e dedicação. Estamos buscando isso, tomando precaução para que todos saibam que eu sou inocente”.

G1 entrou em contato com a Câmara Municipal de São José do Divino, que informou que Marcos Vinícius não foi substituído por suplente, mas tem sido considerado faltoso nas últimas reuniões. Segundo o órgão, ele pode retomar as atividades, mas deve apresentar justificativas para as faltas.

Entenda o caso

O vereador Ronildo Rodrigues Dos Santos (PHS) foi baleado no dia 10 de março quando estava em sua fazenda. Ele foi atingido por três disparos, socorrido e encaminhado ao hospital de Governador Valadares, onde faleceu no dia seguinte.

Um jovem de 18 anos foi preso no dia do atentado e confessou a autoria, informando que foi contratado por R$ 2 mil para matar o vereador Maia. Na ocasião, o jovem apontou o vereador Marquinhos Carioca como mandante do crime. O motivo era apontado como passional, pois a vítima teria tido relacionamento com a esposa do outro parlamentar.

Marquinhos Carioca se apresentou à Polícia Militar no dia 11 de março, quando foi ouvido e liberado. No dia seguinte, ele voltou a ser preso preventivamente pela Polícia Civil.

Com o fim das investigações, Marquinhos Carioca foi inocentado e liberado.